Senta que lá vem resenha: Livro A Viúva

quinta-feira, novembro 16, 2017

Título: A Viúva
Autora: Fiona Barton
Páginas: 304
Editora: Intrínseca
Tema: Mistério.


Sinopse:  Ao longo dos anos, Jean Taylor deixou de contar muitas coisas sobre o terrível crime que o marido era suspeito de ter cometido. Ela estava muito ocupada sendo a esposa perfeita, permanecendo ao lado do homem com quem casara enquanto convivia com os olhares acusadores e as ameaças anônimas. No entanto, após um acidente cheio de enigmas, o marido está morto, e Jean não precisa mais representar esse papel. Não há mais motivo para ficar calada. As pessoas querem ouvir o que ela tem a dizer, querem saber como era viver com aquele homem. E ela pode contar para eles que havia alguns segredos. Afinal, segredos são a matéria que contamina (ou preserva) todo casamento.

Narrado das perspectivas de Jean Taylor, a viúva, do detetive Bob Sparkes, chefe da investigação, cuja carreira é posta em xeque pelo caso, e da repórter Kate Waters, a mais habilidosa dos jornalistas que estão atrás da verdade, o romance de Fiona Barton é um tributo aos profissionais que nunca deixam uma história, ou um caso, escapar, mesmo que ela já esteja encerrada.





Após anos em idas e vindas dos tribunais e a morte do marido tudo o que Jean Taylor queria era sentir um pouco de paz e tranquilidade por finalmente ter se livrado dos absurdos de Glen Taylor, como ela chamava o que o marido fazia. Acontece que dias após a morte, Jean é procurada por Kate, uma repórter implacável, para que a viúva dê seu depoimento em primeira mão sobre um crime hediondo que chocou país. E ela finalmente está pronta para falar sobre tudo o que a polícia não descobriu.

Ao longo das páginas vamos presenciar o drama de Jean desde o dia em que conheceu o marido até o momento em que conheceu o outro lado de Glen. A história é narrada em primeira pessoa, quando é a parte de Jean e em terceira pessoa nos momentos em que sucederam a um sequestro de uma garotinha.

Vamos acompanhar a busca implacável da polícia, da imprensa e da mãe de Bella por seu paradeiro que por anos se manteve desconhecido. Um livro denso e instigante, onde vamos conferir muito além de uma simples investigação policial, em que o passado e presente brigam entre si para fazer valer a verdade e a justiça.

"Ela não tem ideia do que passei. Ninguém tem, na verdade. Nunca consegui contar a ninguém. Glen disse que era melhor assim."



O livro tem um tema forte, aborda a pedofilia de maneira clara e concisa. Sobre como esses maníacos se escondem e como agem, sobre os perigos que a internet pode trazer para um lar. Além disso, entenderemos como a mente de um psicopata pode reagir nos mais variados estados de espírito. Ao mesmo tempo em que Glen se mostra um marido amoroso e zeloso pela esposa, também deixa transparecer seu lado obscuro e pervertido. 

É uma leitura fluida que em alguns momentos trava um pouco, mas nada de alarmante. A autora soube conduzir a história perfeitamente bem, sem atrasar ou adiantar muitos os fatos. Dando importância a cada momento crucial da trama. A autora nos leva a um mundo cheio de incertezas, impossibilidades, erros, injustiça, medo, raiva... e obsessão.

Tenho que dizer que em certos pontos da história tive raiva de Jean pelo simples fato de ela se manter calada o tempo todo ao invés de buscar pela verdade. Sei que a mulher às vezes tem que ser submissa ao homem, mas ela ultrapassou todos os limites da mulher zelosa que cuida do lar e do marido. Ela omitiu alguns fatos e isso me deixou doida, querendo dar uns tapas para ela acordar para vida.

"Eu não queria mais pensar naquilo. Era difícil demais manter tudo separado na minha cabeça. O meu Glen e aquele outro homem de quem a polícia falava. Eu precisava deixar as coisas claras. Eu queria acreditar nele. Eu amava Glen. Ele era o meu mundo. Ele dizia que eu era o dele. Éramos o mundo um do outro."



Além da viúva, um personagem que cresceu notoriamente na história foi o policial Bob Sparkes, que mergulhou no caso de cabeça e cometeu o erro de levar para o lado pessoal, mas que não descansou um minuto sequer até descobrir o que de fato aconteceu. Palmas pela persistência e resiliência do homem! 

A edição da intrínseca está maravilhosa! Encontrei poucos erros mas nada que venha comprometer o entendimento da obra. As páginas com bordas negras e a flor na capa dá um tom fúnebre a obra, característico ao longo da trama.

Recomendo a obra a todos aqueles que querem descobrir como esses loucos agem e acredito que seja uma obra importante a se ler pelo simples fato de denunciar tal comportamento que alguns entendem como "natural". Acredito que isso deve ser levado a sério e que mesmo que seja alguém da família e a pessoa tenha vergonha de expor, deve pensar no próximo, nos vizinhos com seus filhos, pois quando há um maníaco a solta, toda a sociedade corre perigo.


"Glen teria um ataque; Mesmo antes de toda a coisa da polícia, ele gostava de privacidade. Vivemos nessa casa por anos - toda a nossa vida de casados -, mas, como os vizinhos contaram, felizes da vida, à imprensa, éramos muito reservados. É o que os vizinhos sempre dizem quando cadáveres ou crianças maltratadas são encontrados na casa ao lado, não é? Mas no nosso caso era verdade."




You Might Also Like

6 comentários

  1. 'Sei que a mulher às vezes tem que ser submissa ao homem' quando? Olha, não consigo entender como isso acontece. A mulher não tem que ser submissa ao homem e o livro gira me torno dessa ideia, tenho dúvidas se sou o público alvo. Fora isso, a capa é legal.

    ResponderExcluir
  2. Camila que dica maravilhosa, realmente nos põe em crítica de que sociedade quer que a mulher seja submissa, mas não deve ser, acho que nesse quesito eu me irritaria, mas ficaria curiosa para o desfecho e ver que todos merecem um castigos e nem todos somos normais.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Olá, pelas fotos a edição desse livro está muito bonita. Pelo seu post, me parece que o livro mostra que a submissão e o silêncio muitas vezes podem ser perigosos e prejudicar nossa responsabilidade maior com a verdade e a vida.

    ResponderExcluir
  4. Oi Camila, este livro foi lido em um dos meus clubes do livro. De forma geral eu gostei, mas foi bem difícil aceitar algumas coisas da Jean. O final acabou me surpreendendo um pouco.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  5. Oie
    parece ser uma leitura muito intensa e instigante então já quero pois adoro o gênero, parece valer a pena, já conhecia o livro mas não sabia muito sobre, agora fiquei realmente curiosa

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  6. AAAAAAAAAa eu sou louca pra ler esse livro e sua resenha só me deixou com mais vontade ainda. E que fotonas incríveis hein!!!

    ResponderExcluir